quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Frequentemente me perguntam se vale a pena morar fora. Se você for flexível, gostar de conhecer culturas diferentes e tiver pique para começar tua vida do zero, vale a pena sim. Estas são as características de pessoas que provavelmente passarão pelas épocas difíceis, mas isso não significa que será sempre o melhor lugar do mundo. Conhecer o mundo é lindo, mas não é fácil.

Eu faria tudo novamente. Eu amo alemão, acho que é uma língua que tem tudo para ser feia por não ter melodia, por ter palavras gigantes e se em qualquer outra língua você escutar um "eu te amo", você identifica na hora e suspira, mas em alemão... "Ich liebe dich" causa emoção em pessoas normais? Nenhuma! E mesmo assim, acho lindo. Sempre gostei!

Conhecer culturas diferentes é uma alegria imensa para mim. Schatz e eu gostamos de lugares desconhecidos. Quando viajamos para cidade conhecida, já procuramos um restaurante sem turistas, só com nativos e fazemos questão de comer por lá. Sempre tivemos sorte! Em Praga, fomos a um restaurante que nem as garçonetes falavam inglês. Foi lá onde aprendemos uma palavra nova em Tcheco: "Pivo", que significa cerveja. O cardápio, todo em tcheco, pedimos na sorte. Éramos 5 pessoas, todos com pratos diferentes para cada um experimentar do outro. Amamos!! Ah, para quem não sabe, a moeda de Praga não é euro! Além de ser uma cidade super interessante, hotel e restaurantes são bem baratos. Quem não conhece ainda, fica a dica!

Outro ponto positivo de morar fora, especialmente na europa, é poder passar um final de semana em outro país! Eu morava na Alemanha e fazia curso na Áustria. Comprava coisas para a casa na Áustria também. Hoje, morando em Viena, posso ir e voltar no mesmo dia para Eslováquia - fica uns 50, 60km distante daqui. Isso me fascina!

Agora os pontos negativos: ficar longe de família, amigos, perder aniversários, natal, ano novo, almoços de domingo, perder a queda do primeiro dente de leite da sua prima por quem você tem um amor incondicional, perder o nascimento da filha de uma super-tia... Eu sou louca pela minha família e tenho que ficar longe de todos. Tenho que ver meus pais e irmãos doidos para me ver no natal e falar que não poderei ir este ano. Minha super-tia fala que sou feita de açúcar e eu não vou poder ser tão presente para a filha dela como fui para as outras primas. É pesado, gente. Não é fácil não!

Sem falar da outra prima que é a pessoa mais engraçada e criativa do universo! Ela inventa piadas, escreve em um papel e coloca na porta do quarto. Toda semana uma piada nova. Ainda escreve um livrinho de poemas! Me divirto horrores!!

Ontem foi aniversário do meu avô. Eu liguei para dar os parabéns e meu amorzinho de 6 anos atendeu ao telefone. Olha a conversa:

Ela: "Ah não, Lelê... Eu queria que você tivesse em Brasília sexta-feira junto com a Cacá! Ia ser tão bom!" (Minha irmã, Cacá, mora em Buenos Aires, mas vai passar o feriado em Brasília e minha priminha, que é goiana, vai para lá).
Eu: "Eu também queria, Nana... Mas fica complicado agora..."
Ela: "Sabia que eu tenho um amigo que mora na Áustria também? De que cor é a casa ao lado da sua?"
Eu: "Bege!"
Ela: "Mentira! A casa dele também é bege! Tem mais alguma coisa na frente da casa? Um portão... Alguma coisa?"
Eu:"Não, não! A Lelê mora em prédio!"
Ela: "N-ã-o acredito!! Ele também! Ele passa na frente da sua casa todos os dias! Vou pedir pra ele dar carona para você vir pra Brasília, tá bom?"

Pergunta de prova, gente:
(ITA 2012) Como eu consigo ficar longe de uma coisa fofa dessas?

Nessas horas dá uma dor no coração e aí é só focar nos pontos positivos que o coração se acalma (não passa, só acalma). É estranho isso, mas mesmo com essa dorzinha constante no peito, você sabe que está exatamente onde deveria estar. Simples assim.

, , ,

3 comentários até agora

  1. Own Lê, entendo tudinho o que você escreveu. No momento estou vivendo novamente uma das fases mais difíceis da minha vida. A primeira foi quando eu disse adeus, mas sabia que voltaria a morar com meus pais. Agora tou me mudando e só voltarei pra visitá-los quando der. Tenho quatro sobrinhos, entre eles uma menininha de 8 meses. Não tá sendo fácil aceitar que vou viver longe dela e deles, claro. Não é fácil. Mas como você mesma falou sobre os pontos positivos, olhando somente pra eles, vale a pena sim todo o esforço, ainda mais quando nos identificamos com o país e a língua.
    Beijos e felicidades!

    Responder comentário

  2. Lê!!!!
    aiii... até me emocionei... você descreveu perfeitamente...
    sou igual a você, muito FAMILIA, e pra mim estar aqui não é só felicidade, longe disso... (fiz o post de 6 meses aqui, se viu?) então lá falei um pouquinho disso, que o preço mais alto de morar fora é ficar longe das pessoas que você gosta... lembro certinho quando tudo começou, te mandava e-mail(s) perguntando detalhes (lembra???) e ficava toda encantada em pensar que iria morar fora, no exterior...
    Engraçado, hoej pesno que realmente só quero ficar aqui o tempo do doutorado do Ivan... não que eu não goste daqui, pelo contrário achei a Alemanha um país maravilhoso (tirando a língua), porém acho que é perfeito para os alemães... :) não pra mim... mas vamos ver o que a experiencia vai nos mostrar né...
    beijossssss

    Responder comentário

  3. Oi Le!!!
    voc6e desde o inico aqui comigo, que gostoso né...
    as estações aqui são muito lindas... falei para uma amiga minha que queria que elas pudessem ver tudo isso aqui de perto... pois é muito bacana... no Brasil não existe isso...
    Com certeza quando for pra Viena (acho que ano que vem) vou te vistar e conhecer minha amiguxa... rsrsr
    Adorei essa da carona, esqueci de te falar lá no Blog... belezinha.....
    Obrigada pelo seu carinho de sempre viu! Muito importante para mim...
    beijãoooo flor


    Responder comentário

Comente!